• Início
  • Economia
  • Resumo semanal: inflação cheia em queda, núcleos pressionados

Leitura de 10 min

Resumo semanal: inflação cheia em queda, núcleos pressionados

Confira as principais notícias da semana, segundo a avaliação da equipe econômica do C6 Bank

Atualizado em

Confira as principais notícias da semana (10/7-14/7), segundo a avaliação da equipe econômica do C6 Bank. Leia a íntegra do relatório.

C6 Bank Felipe Salles Foto: Germano Lüders 04/08/2021

Internacional

Estados Unidos: inflação de serviços é a principal preocupação

A inflação continua resiliente. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) registrou aumento de 0,2% em junho frente ao mês anterior, de acordo com o Departamento do Trabalho. O núcleo do índice (exclui alimentos e energia) também teve a mesma variação no mês. Na composição do índice, a inflação de bens está controlada e já não preocupa. No entanto, a inflação de serviços, que representa mais de 73% do núcleo, segue pressionada pelo mercado de trabalho aquecido. Apesar dos preços de aluguéis – um dos principais componentes do núcleo -já estarem desacelerando, os demais itens do setor de serviços seguem resilientes, devido aos elevados custos de produção decorrentes do mercado de trabalho apertado. Em 12 meses, o núcleo do CPI acumula alta de 4,8%, ainda elevado. Outro relatório do Departamento do Trabalho também mostra a desaceleração da inflação de bens. O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) se manteve estável em junho. Nos últimos 12 meses, o PPI acumula alta de 0,1% e o núcleo 2,4%. Adicionalmente, os dados do índice de confiança da Universidade de Michigan do mês de maio mostraram que a expectativa para a inflação de longo prazo (5 a 10 anos) subiu de 3% para 3,1%. Esse aumento reflete a percepção dos agentes econômicos de que a inflação pode ser mais persistente. Nossa expectativa é que a inflação continue desacelerando lentamente, em razão da política monetária mais restritiva do Fed, mas que não volte à meta em um horizonte próximo.

Em relatório semanal, os pedidos iniciais de seguro-desemprego tiveram leve queda e continuam em níveis baixos para padrões históricos, em 237 mil, com ajuste sazonal na semana encerrada em 8 de julho. Apesar de baixos, os pedidos estão acima do patamar observado desde o início de 2022 e indicam um lento desaquecimento no mercado de trabalho.

O índice de otimismo das pequenas empresas, medido pela Federação Nacional de Empresas Independentes (NFIB, na sigla em inglês), teve leve alta de 1,6 ponto para 91 em junho, mas permanece abaixo do nível pré-pandemia.

Europa: Ucrânia irá ingressar na OTAN “quando as condições forem atingidas”

A guerra entre Rússia e Ucrânia se estende pelo segundo ano. O motim do grupo Wagner teve curta duração, mas sugere rachaduras entre russos e confronta a liderança de Putin. O impacto político ainda é nebuloso. Os Estados Unidos anunciaram novo pacote de ajuda militar à Ucrânia que inclui o envio de bombas de fragmentação. A decisão tem causado desconforto entre aliados europeus em razão de possível escalada da situação.

A Ucrânia foi o principal tema de Cúpula da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), que ocorreu nesta semana. Desde o início da reunião, ficou claro que não seria possível aceitar a entrada do país de imediato. A solução diplomática foram anúncios de envio de armamentos por parte dos países-membros, além da garantia de que a Ucrânia será admitida na aliança de forma acelerada em relação ao processo normal “quando as condições forem atingidas”, embora sem um cronograma claro definido. Além da discussão sobre a guerra, um dos destaques do evento foi a revogação pela Turquia do veto de entrada da Suécia na OTAN enquanto a Hungria sinalizou que também deve ratificar a entrada do país. Na reunião, a OTAN aprovou o primeiro plano de defesa desde a Guerra Fria, com todos os países concordando em aumentar investimentos para garantir a segurança da região.

A produção industrial teve leve aumento de 0,2% em maio frente ao mês anterior com ajuste sazonal, depois de expansão de 1% no mês anterior, segundo o Eurostat. A pesquisa mostrou queda na Alemanha (-0,2%), mas aumento na França (1,3%) e Itália (1,6%). Excluindo a Irlanda, a produção industrial aumentou 0,7% no mês.

A ata da reunião de junho mostrou que a grande maioria dos membros apoiou o aumento de 25 pontos-base dos juros, com parte deles expressando preferência por aumentos de 50 pontos-base. Apesar do aumento menor, a comunicação do Banco deixou claro um viés de alta para as decisões futuras de juros. Em nossa visão, os juros devem continuar subindo e permanecer elevados por um período prolongado, em razão da inflação que deve ceder lentamente.

No Reino Unido, o mercado de trabalho tem dado sinais de desaceleração, mas salários seguem em alta. Segundo o Departamento de Estatísticas Nacional do Reino Unido, nos três meses até maio a taxa de desemprego subiu de 3,8% para 4%, enquanto a participação na força de trabalho se manteve constante. Os ganhos médios por hora trabalhada, excluindo bônus, seguem fortes e subiram 7,3% no período. A demanda por trabalho continua alta: o número de vagas em aberto por desempregado continua elevado, o que deve manter pressão sobre salários à frente. Em nossa visão, o BoE deve continuar o ciclo de alta de juros iniciado em dezembro de 2021. Esperamos alta de 25 pontos-base na decisão de política monetária de agosto.

No Reino Unido, a economia teve leve retração (-0,1%) em maio frente ao mês anterior, de acordo com o Escritório Nacional de Estatísticas (ONS, na sigla em inglês). Na composição do indicador, o setor de serviços se manteve estável em relação ao mês anterior, enquanto a indústria e construções registraram retração de -0,6% e -0,2%, respectivamente.

China: exportações e importações surpreendem negativamente

A balança comercial teve superávit menor do que o esperado, registrando 70,6 bilhões de dólares em junho, com queda forte nas exportações e importações, que diminuíram mais que o esperado em diversas categorias, sinalizando desaceleração na atividade econômica do país.

Por outro lado, o fluxo de crédito agregado aumentou e veio acima do esperado em junho. O volume foi de 4,2 trilhões de yuan, segundo o Banco Central da China (PBOC, na sigla em inglês), bem maior que no mês anterior. Houve aumento dos empréstimos bancários de médio e longo prazos para empresas e famílias, sendo que para famílias foi o segundo maior aumento desde o início de 2022.

A inflação segue baixa. O índice de preços ao consumidor (CPI) ficou estável em junho frente ao mesmo mês do ano anterior, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas chinês (NBS, na sigla em inglês), com a demanda fraca. O índice de preços ao produtor (PPI) teve queda de 5,4% no mesmo período, a nona consecutiva, refletindo menor preço de commodities no mercado internacional.

O governo sinalizou apoio ao setor imobiliário, anunciando medida que estende os empréstimos às construtoras. A iniciativa deve ajudar a finalização de projetos inacabados, mas não encorajar um forte crescimento do setor.

Commodities: acordo de grãos Rússia-Ucrânia próximo ao vencimento

Os preços das commodities energéticas seguem baixos. Entre os dias 6 e 13 de julho, o preço futuro do petróleo (Brent) subiu 6,3%, girando em torno de 80 dólares por barril. O aumento ocorreu com a redução de embarques de petróleo por navios russos e a interrupção na produção em algumas regiões na África. Rússia e Arábia Saudita divulgaram que pretendem realizar cortes na produção. Em nossa visão, a atividade global fraca, em razão de juros elevados, e a manutenção de um dólar em patamar forte, que tende a reduzir o preço em dólar de produtos cotados na moeda americana, devem evitar pressões adicionais no preço do petróleo.

O preço futuro do gás natural na Europa teve diminuição de 17,7% e segue com alta volatilidade, em meio a ondas de calor e o restabelecimento do fornecimento de gás pela Noruega. O preço do gás natural continua bem abaixo (menos da metade) da média de janeiro de 2022 (pré-guerra).

Mercado de grãos em atenção. A produção de grãos tem tido um noticiário misto em relação à oferta mundial: por um lado, o clima favorável nos Estados Unidos tem favorecido a produção de milho e soja pelo país. Por outro lado, a Rússia não tem mostrado interesse na renovação do acordo de exportações de grãos com a Ucrânia – que permite ao país abastecer navios em portos do Mar Negro. Vladimir Putin comentou que o país ainda está considerando se o acordo será estendido. O acordo vence na próxima segunda-feira, 17 de julho.

Brasil

Focus: projeções de inflação sem alterações

As projeções para o IPCA ficaram estáveis para 2023 (de 4,98% para 4,95%), para 2024 (3,92%), para 2025 (3,6%) e para 2026 (3,5%). Os números esperados para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) não tiveram alterações para 2023 (2,19%) e nem para 2024 (1,28%). A taxa Selic está em 12% para 2023, em 9,5% para 2024, em 9% para 2025 e em 8,75% para 2026. As projeções estão no Boletim Focus, relatório do Banco Central que reúne a expectativa das instituições financeiras em relação aos principais indicadores econômicos do país.

Inflação: IPCA em linha reforça visão de desinflação lenta

O IPCA de junho registrou deflação de 0,08% – em linha com o que nós (-0,07%) esperávamos. O IPCA acumula alta em 12 meses de 3,2% e atingiu o menor valor nesta métrica desde setembro de 2020. Entretanto, o índice deve voltar a acelerar no segundo semestre, quando o efeito da redução de impostos, adotada pelo governo em 2022, tiver saído completamente da base de cálculo. A inflação de serviços segue elevada, registrou alta de 6,2% em 12 meses e deve continuar em patamar alto devido ao mercado de trabalho aquecido. A inflação de bens industriais mostra clara tendência de queda nos últimos meses e deve seguir recuando à frente. A média dos núcleos do Banco Central segue pressionada, em 6% em 12 meses. Projetamos IPCA de 5,8% para 2023 e de 5,5% para 2024.

Atividade: varejo contrai mas serviços crescem em maio

A Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) de maio mostrou queda de 1,1% frente ao mês anterior no volume de vendas no comércio varejista ampliado, resultado pior do que nós projetávamos. A maior surpresa foi no segmento de atacado de produtos alimentícios, bebida e fumo, que foi introduzido na pesquisa neste ano. As perspectivas para o setor não são favoráveis à frente, principalmente para os segmentos sensíveis a crédito, devido à desaceleração da economia, impactada pelos juros altos.

A Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) de maio mostrou que o volume de serviços expandiu 0,9% na comparação mensal, após contrair 1,5% em abril. O dado veio acima das expectativas do mercado e abaixo da nossa projeção. O segmento de serviços prestados às famílias, que tem um peso relevante no PIB, registrou crescimento de 1,1% no mês. Entretanto, o setor de serviços deve rodar em ritmo fraco ao longo de 2023. Projetamos crescimento do PIB de 2,5% para 2023 e de 1% para 2024.

Equipe Econômica C6 Bank

Felipe Salles Head
Claudia Moreno Head Brasil
Claudia Rodrigues Head Internacional
Felipe Mecchi Internacional
Heliezer Jacob Brasil

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A.

Os números contidos nos gráficos de desempenho referem-se ao passado; o desempenho passado não é garantia de resultados futuros.

Cada analista de Macro Research é o principal responsável pelo conteúdo deste relatório e atesta que:

(i) todas as opiniões expressas refletem com precisão suas opiniões pessoais e eventual recomendação foi elaborada de forma independente, inclusive em relação ao Banco C6 S.A. e / ou suas afiliadas;

(ii) nenhuma parte de sua remuneração foi, está ou estará, direta ou indiretamente, relacionada a quaisquer recomendações específicas realizadas pelo analista.

Parte da remuneração do analista vem dos lucros do Banco C6 S.A. e / ou de suas afiliadas e, consequentemente, as receitas decorrem de transações mantidas pelo Banco C6 S.A. e / ou suas coligadas.

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A., uma instituição regulada por autoridades brasileiras.

O Banco C6 S.A. é responsável pela distribuição deste relatório no Brasil.