• Início
  • Economia
  • Resumo semanal: PIB do Brasil do 4T22 confirma desaceleração da economia

Leitura de 11 min

Resumo semanal: PIB do Brasil do 4T22 confirma desaceleração da economia

Confira as principais notícias da semana, segundo a avaliação da equipe econômica do C6 Bank

Atualizado em

C6 Bank Felipe Salles Foto: Germano Lüders 04/08/2021

Confira as principais notícias da semana (27/2-3/3), segundo a avaliação da equipe econômica do C6 Bank. Leia a íntegra do relatório.

Internacional

Estados Unidos: sinais de melhora na indústria

Atividade na indústria melhorou na margem, mas segue fraca. O índice de gerentes de compras do setor de manufaturas (PMI, na sigla em inglês) do Instituto ISM aumentou 0,3 ponto em fevereiro frente ao mês anterior, para 47,7. Houve forte aumento na demanda, mas leve queda na produção. Preços tiveram aumento na margem pelo segundo mês consecutivo. O componente de emprego caiu, indicando menos contratações. Nos últimos 4 meses, o índice ficou abaixo de 50, o que indica atividade em contração.

Os pedidos de bens duráveis e de bens de capital (excluindo aeronaves e equipamentos de defesa) tiveram expansão no mês de janeiro em relação ao mês anterior. Ambos os indicadores permanecem bem acima do nível pré-pandemia e indicam que investimentos seguem sólidos.

Setor imobiliário parece ter superado o pior momento, com sinais incipientes de recuperação. As vendas pendentes de casas aumentaram 8,1% em janeiro frente ao mês anterior, segundo a Associação Nacional de Corretores de Imóveis (NAR, na sigla em inglês), mas seguem em níveis baixos. Os preços de casas tiveram leve queda em dezembro, segundo a Agência Federal de Financiamento da Habitação (FHFA, na sigla em inglês). O índice acumula alta de 6,6% em 12 meses, ainda elevado, mas abaixo do pico no início de 2022, quando alcançou 19,3%. O desaquecimento do setor ajuda a reduzir preços de venda de imóveis, que tem efeito defasado sobre os aluguéis, componente importante dos índices de inflação. Menores preços de aluguéis devem contribuir para desacelerar a inflação em 2023.

O mercado de trabalho segue aquecido. Os pedidos iniciais de seguro-desemprego continuam em níveis baixos para padrões históricos, em 190 mil na semana encerrada em 24 de fevereiro, 2 mil abaixo da semana anterior.

Europa: núcleo da inflação alcança novo recorde

O conflito entre Rússia e Ucrânia entrou no segundo ano. Mísseis russos continuam sendo lançados atingindo principalmente o leste da Ucrânia. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que a intensidade do conflito aumentou em Bakhmut, na região de Donetsky no leste do país, e admitiu que pode não ser possível defender o local. Olaf Scholz, chanceler da Alemanha, alertou a China a não enviar armas para a Rússia. Hoje, o líder alemão se encontra com o presidente americano, Joe Biden, e devem discutir mais ajuda militar à Ucrânia. A União Europeia (UE) anunciou na sexta-feira passada, quando o conflito completou 1 ano, o décimo pacote de sanções à Rússia. Dentre as medidas está o banimento de exportações da UE de tecnologias e bens industriais que possam ser úteis à força militar russa na ordem de 11 bilhões de euros. A Rússia está com dificuldades de encontrar compradores para seu diesel, um volume recorde do produto está flutuando em embarcações marítimas.

Preços das commodities energéticas seguem em patamares baixos. Entre os dias 24 de fevereiro e 2 de março, o preço do petróleo teve leve aumento e girando em torno de 84 dólares por barril (Brent). O preço do gás natural caiu 8% no mesmo período e está 45% abaixo da média de janeiro de 2022 (pré-guerra), com aumento de importações de gás natural liquefeito e estoque de gás elevado no continente. No fechamento de quinta-feira, o preço do gás natural estava mais de 85% abaixo do pico de preços em agosto, o que continua sinalizando perspectivas melhores de crescimento na região.

O Banco Central Europeu (BCE) divulgou a ata da reunião de fevereiro, quando foi decidido um aumento de 50 pontos-base nas taxas de juros, o segundo consecutivo dessa magnitude, e foi indicado um aumento também de 50 pontos-base para a próxima reunião, que ocorre este mês. Conforme a ata, houve amplo apoio de membros do Comitê de Política Monetária para a decisão de juros e para a comunicação de que mais aumentos devem seguir. Falas recentes de membros do ECB reiteram a necessidade de aumentos adicionais nas taxas de juros diante da pressão inflacionária. Esperamos alta de 50 pontos-base na reunião deste mês, em linha com a sinalização dada pelo Comitê na última reunião.

A inflação ao consumidor segue alta. O índice (CPI, na sigla em inglês) subiu 8,5% nos últimos doze meses até fevereiro, segundo a prévia do Eurostat. Apesar de ter desacelerado em relação ao mês anterior, houve aumento maior no preço de alimentos (15%) e de serviços (4,8%). O núcleo da inflação, que exclui alimentos e energia, acelerou e alcançou novo recorde de 5,6% no período. Entre as maiores economias do bloco, a inflação acelerou na Alemanha (9,3%), França (7,2%) e Espanha (6,1%) e desacelerou, mas segue elevada, na Itália (9,9%). A inflação ao produtor (PPI, na sigla em inglês) caiu 2,8% no mês de janeiro frente ao mês anterior, com menor preço de energia (-9,4%). Em 12 meses, o índice continua desacelerando, mas permanece elevado e acumula alta de 15%.

A confiança na economia ficou estável, mas segue fraca. O índice de sentimento econômico, calculado pela Comissão Europeia, diminuiu 0,1 ponto em fevereiro para 99,7. A leve redução ocorreu com uma piora na confiança de serviços e da indústria, que continuam abaixo da média de longo prazo. A confiança do consumidor tem melhorado, mas segue abaixo do nível pré-pandemia.

O mercado de trabalho segue aquecido. A taxa de desemprego continuou baixa, próxima ao mínimo da série, em 6,7% em fevereiro. O índice divulgado pelo Eurostat mostra heterogeneidade entre as economias do bloco. O desemprego permanece baixo na Alemanha (3%), mas alto na Espanha (13%).

China: atividade sólida

A atividade ganhou força em fevereiro indicando uma retomada mais ampla dos negócios. De acordo com os índices de gerentes de compras (PMIs, na sigla em inglês), calculados pelo Escritório Nacional de Estatísticas chinês (NBS, na sigla em inglês), o PMI composto, que considera o setor de manufaturas, construção e serviços, continuou subindo e alcançou 56,4, maior nível em mais de uma década. O PMI de manufaturas aumentou 2,5 pontos para 52,6, com aumento da produção e da demanda doméstica e externa. O PMI de serviços subiu 1,6 ponto para 55,6, sinalizando recuperação em diversos setores e não apenas nos que se beneficiam diretamente com a reabertura (turismo, restaurantes), como aconteceu em janeiro.

O Congresso Nacional do Povo, evento político chinês mais importante do ano, começa neste fim de semana. Durante o evento serão nomeados cargos importantes do governo, além de serem definidas metas para a economia. Dentre as novas lideranças, aliados do presidente Xi Jinping, já nomeados para posições-chave dentro do partido, devem assumir cargos centrais apesar da pouca experiência política, consolidando o poder de Xi. O primeiro-ministro deve ser Li Qiang. Alguns órgãos reguladores e o Banco do Povo da China também terão novas lideranças, possivelmente menos tecnocratas do que as atuais. Sobre o crescimento econômico, a expectativa é que a meta do PIB para 2023 seja definida como “acima de 5%” ou algo entre 5% e 5,5%.

Brasil

Focus: projeções de Selic e IPCA estáveis

A projeção para o IPCA ficou praticamente estável para 2023 (de 5,89% para 5,9%), para 2024 (4,02%) e para 2025 (de 3,78% para 3,8%) e registrou alta para 2026 (de 3,7% para 3,75%). Os números esperados para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) permaneceram praticamente inalterados para 2023 (de 0,8% para 0,84%) e ficaram estáveis para 2024 (em 1,5%). A taxa Selic não foi alterada para 2023 (12,75%), para 2024 (10%) e nem para 2025 (9%). Já para 2026, houve leve queda (de 8,75% para 8,5%). As projeções estão no Boletim Focus, relatório do Banco Central que reúne a expectativa das instituições financeiras em relação aos principais indicadores econômicos do país.

Atividade: PIB do 4T22 corrobora visão de desaceleração econômica

O PIB do 4T22 registrou queda de 0,2% na comparação com o 3T22, em linha com o esperado por nós e pelo mercado. Do lado da oferta, tanto o setor de serviços (+0,2%) quanto agropecuária (+0,3%) registraram expansão, enquanto a indústria registrou contração (-0,3%). Do lado da demanda, houve alta no consumo das famílias (+0,3%), ainda que em ritmo mais lento, porém retração nos investimentos (-1,1%). Para frente, acreditamos que a desaceleração vista neste trimestre vai continuar, vemos sinais disso nos indicadores de atividade de mais alta frequência. Entretanto, o 1º trimestre deve apresentar alta, impulsionado, principalmente, pelo setor agropecuário. A economia já sente mais fortemente os efeitos dos juros altos, assim como da desaceleração global.

A taxa de desemprego da PNAD Contínua no trimestre terminado em dezembro veio em linha com a nossa projeção e levemente acima do esperado pelo mercado, atingindo 7,9%. Na série com nosso ajuste sazonal, o indicador está em 8,4%. Este é o menor nível para o mês desde 2015. A taxa apresentou um recuo acentuado desde o pico em novembro de 2020 (15%), refletindo principalmente a recuperação do PIB de serviços. A pesquisa mostrou também queda na ocupação e na população economicamente ativa (PEA) no mês, sinalizando perda de dinamismo, enquanto o rendimento médio real habitual registrou alta (0,2%). A massa salarial real habitual mostra forte expansão nos últimos meses, impulsionada pela recuperação do emprego. O crescimento da economia até agora foi suficiente para levar a taxa de desemprego para níveis próximos do neutro, o que reforça o cenário de queda lenta da inflação. Nossa expectativa é que a taxa de desemprego (ajustada sazonalmente) volte a subir moderadamente até 2024. Para 2023, a taxa deve encerrar o ano em 9%.

Inflação: IGP-M segue desacelerando

O IGP-M contraiu 0,06% em fevereiro, abaixo das expectativas do mercado, e acumulou alta de 1,9% em 12 meses. A composição dos índices de atacado mostrou o IPA agrícola com queda de 0,47% frente à alta de 0,06% no mês anterior. O núcleo do IPA industrial – que inclui apenas os itens relacionados à inflação de bens industriais do IPCA, excluindo alimentos, combustíveis e minério de ferro – registrou leve alta de 0,05% ante retração de 0,06% em novembro. Em 12 meses, o núcleo dos bens industriais está em 3,4% e o IPA agrícola em 2,9%. Nossa projeção de IPCA é de 5,8% para 2023 e de 5% para 2024.

Fiscal: resultado positivo no mês de janeiro

O Setor Público Consolidado registrou um superávit de R$ 99 bi em janeiro. No acumulado em 12 meses, o resultado está positivo em R$ 123 bi (1,2% do PIB). A dívida líquida encerrou o mês em 56,6% e a dívida bruta em 73,1%. Os governos regionais contribuíram para o resultado com um superávit de R$ 21,8 bi. Entretanto, projetamos déficit do setor público consolidado de 1,4% do PIB para 2023 devido ao aumento de gastos e queda na arrecadação em função da desaceleração da atividade.

Combustíveis: governo decide por reoneração parcial dos tributos federais

O ministro Fernando Haddad, em entrevista coletiva na terça-feira (28), apresentou a Medida Provisória (nº 1.163, de 2023) que prorroga a redução de alíquotas de PIS/Pasep e Cofins sobre gasolina, álcool, gás natural veicular e querosene de aviação. Estes impostos estavam com as alíquotas zeradas até o dia 28 de fevereiro. O valor cobrado destes dois tributos somados agora é de R$ 0,47 por litro de gasolina e R$ 0,02 por litro de álcool. No mesmo dia, a Petrobras anunciou uma redução de R$ 0,13 (de R$ 3,31 para R$ 3,18) no preço do litro da gasolina na refinaria. Haddad afirmou que o governo aguardava o posicionamento da estatal para anunciar a medida. Para compensar a perda de arrecadação com as alíquotas menores, o governo estabeleceu um imposto sobre exportação de petróleo cru. As medidas são válidas por quatro meses e estimamos que tenham impacto no IPCA de 0,45%. Projetamos que a inflação encerre o ano de 2023 em 5,8%.

Equipe Econômica C6 Bank

Felipe Salles Head
Claudia Moreno Head Brasil
Claudia Rodrigues Head Internacional
Felipe Mecchi Internacional
Heliezer Jacob Brasil

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A.

Os números contidos nos gráficos de desempenho referem-se ao passado; o desempenho passado não é garantia de resultados futuros.

Cada analista de Macro Research é o principal responsável pelo conteúdo deste relatório e atesta que:

(i) todas as opiniões expressas refletem com precisão suas opiniões pessoais e eventual recomendação foi elaborada de forma independente, inclusive em relação ao Banco C6 S.A. e / ou suas afiliadas;

(ii) nenhuma parte de sua remuneração foi, está ou estará, direta ou indiretamente, relacionada a quaisquer recomendações específicas realizadas pelo analista.

Parte da remuneração do analista vem dos lucros do Banco C6 S.A. e / ou de suas afiliadas e, consequentemente, as receitas decorrem de transações mantidas pelo Banco C6 S.A. e / ou suas coligadas.

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A., uma instituição regulada por autoridades brasileiras.

O Banco C6 S.A. é responsável pela distribuição deste relatório no Brasil.