Leitura de 3 min

Aumento da incerteza não altera plano de voo do Copom

Leia a íntegra da análise da equipe econômica do C6 Bank

Atualizado em

O Banco Central divulgou nesta terça-feira (26) a ata das reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) dos dias 19 e 20 de março, apresentando mais detalhes sobre a decisão de política monetária.

Felipe Sales, Head da equipe econômica do C6 Bank, de braços cruzados, usando uma camiseta preta
Felipe Sales, Head da equipe econômica do C6 Bank. Foto: Wanezza Soares.

No comunicado em que anunciou a decisão, o Copom alterou a sinalização sobre os próximos passos: ele afirmou que o corte dos juros deve ser de 50 pontos-base na próxima reunião (em maio), mas retirou a sinalização de cortes da mesma magnitude na reunião subsequente (no caso, a de junho), buscando com isso ganhar mais flexibilidade.

No texto divulgado hoje, o Comitê traz um discurso duro em relação a perspectiva de desinflação à frente, mas mantém a visão de que o cenário base segue basicamente inalterado.

Ao longo do texto, o Comitê traz os motivos para o aumento da incerteza no cenário internacional e doméstico. No contexto externo, ele afirma que “o cenário desinflacionário se mostra mais incerto, em função de um contexto de atividade resiliente nos Estados Unidos”.

No âmbito doméstico, o Comitê adotou um tom mais preocupado em relação a continuação da desinflação de serviços à frente. Segundo a autoridade monetária “esse aumento de incerteza prescreve cautela na condução de política monetária”. Essa mudança abre espaço para uma possível redução no ritmo de cortes à frente, mesmo que a taxa terminal se mantenha inalterada.

Em outro trecho relevante, “alguns membros” defenderam um corte de juros de 25 pontos-base na reunião de junho, caso a incerteza prospectiva permaneça elevada. O termo “alguns” é importante, pois denota uma parte minoritária do Comitê. Na nossa visão, isso deixa implícito que o restante dos membros, que é a maioria, segue acreditando que o cenário de dois cortes de 50 pontos-base nas próximas duas reuniões é o mais provável.

Projetamos Selic em 9,25% ao final de 2024 e em 8,5% ao final de 2025. Acreditamos que o texto da ata mantém a sinalização indicada no comunicado da decisão de um novo corte de juros de 50 pontos-base na reunião de maio e indica que, por ora, o mais provável é um corte de mesma magnitude para a reunião de junho.

Equipe Econômica C6 Bank

Felipe Salles Head
Claudia Moreno Head Brasil
Claudia Rodrigues Head Internacional
Felipe Mecchi Internacional
Heliezer Jacob Brasil

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A.

Os números contidos nos gráficos de desempenho referem-se ao passado; o desempenho passado não é garantia de resultados futuros.

Cada analista de Macro Research é o principal responsável pelo conteúdo deste relatório e atesta que:

(i) todas as opiniões expressas refletem com precisão suas opiniões pessoais e eventual recomendação foi elaborada de forma independente, inclusive em relação ao Banco C6 S.A. e / ou suas afiliadas;

(ii) nenhuma parte de sua remuneração foi, está ou estará, direta ou indiretamente, relacionada a quaisquer recomendações específicas realizadas pelo analista.

Parte da remuneração do analista vem dos lucros do Banco C6 S.A. e / ou de suas afiliadas e, consequentemente, as receitas decorrem de transações mantidas pelo Banco C6 S.A. e / ou suas coligadas.

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A., uma instituição regulada por autoridades brasileiras.

O Banco C6 S.A. é responsável pela distribuição deste relatório no Brasil.