Leitura de 9 min

Resumo semanal: medidas fiscais buscam reduzir o déficit

Confira as principais notícias da semana, segundo a avaliação da equipe econômica do C6 Bank

Atualizado em

Confira as principais notícias da semana (9/1-13/1), segundo a avaliação da equipe econômica do C6 Bank. Leia a íntegra do relatório.

Internacional

Estados Unidos: Fed considera reduzir ritmo de alta de juros

A inflação desacelerou. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) caiu 0,1% em dezembro frente ao mês anterior, de acordo com o Departamento do Trabalho. O núcleo do índice (exclui alimentos e energia) cresceu 0,3% no mesmo período, com queda no preço de bens (-0,3%) e aumento no preço de serviços (0,5%). Preços de serviços continuam sendo pressionados por salários elevados em razão de um mercado de trabalho aquecido(demanda por trabalhador acima da oferta de mão de obra disponível) e pela alta dos preços dos aluguéis. O CPI terminou o ano de 2022 em 6,5% e o núcleo em 5,7%.

Membros do Banco Central americano (Federal Reserve – Fed) têm sinalizado diminuição no ritmo de ajustes nas taxas de juros para 25 pontos-base na próxima reunião no início de fevereiro. Esta visão ganhou força com dados indicando desaceleração dos salários – em particular o Atlanta Fed’s Wage Growth Tracker de dezembro, que desacelerou de 6,4% para 6,1% no acumulado em doze meses, e o Average Hourly Earnings divulgado na semana passada. Em nossa visão, o mercado de trabalho aquecido e a inflação de serviços ainda elevada justificariam um ajuste de 50 pontos-base.

Os pedidos iniciais de seguro-desemprego continuam em níveis baixos para padrões históricos, em 205 mil na semana encerrada em 7 de janeiro, mil abaixo da semana anterior.

O índice de otimismo das pequenas empresas, medido pela Federação Nacional de Empresas Independentes (NFIB, na sigla em inglês), caiu 2,1 pontos para 89,8 em dezembro, permanecendo abaixo do nível pré-pandemia. Segundo o índice, a pressão sobre preços e salários tem diminuído, mas continua elevada.

Europa: perspectivas melhores para atividade

O conflito entre Rússia e Ucrânia está no décimo primeiro mês. Bombardeios continuam concentrados no leste e sul do país, focando em infraestrutura de energia. O apoio da comunidade internacional à Ucrânia continua, com anúncios de auxílios feitos pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, de que treinará em torno de 100 soldados ucranianos para a operação e manutenção de sistemas de defesa aéreos; Canadá, Reino Unido, Itália e Polônia também anunciaram intenção de enviar equipamentos militares para o país. Segundo comunicado do governo britânico, ministros da justiça de diversos países irão se reunir em março para investigações de crimes de guerra russos. A União Europeia e a OTAN assinaram nesta semana um tratado de cooperação para identificação de vulnerabilidade de infraestrutura crítica diante de potenciais ameaças na região.

Preços do petróleo mais altos. Entre os dias 6 e 12 de janeiro o preço do petróleo subiu 6,9%, em meio ao otimismo em relação à recuperação econômica da China após alívio das restrições em relação à Covid-19.

O preço do gás natural apresentou queda de 3,9% no mesmo período, apesar da volatilidade dos preços em função de expectativas de temperaturas mais frias na Europa na próxima semana – o preço da commodity está 21,6% abaixo da média de janeiro 2022 (pré-guerra). Os estoques elevados de gás da Europa, graças à forte importação de LNG vinda dos Estados Unidos, têm diminuído os riscos de uma recessão profunda e duradoura na região.

A produção industrial apresentou expansão de 1% em novembro frente ao mês anterior, com melhora na produção da Alemanha (+0,2%) e França (+2,0%) enquanto houve retração na produção da Itália (-0,3%) e Espanha (-0,7%).

O mercado de trabalho segue aquecido. A taxa de desemprego continuou no mínimo da série, em 6,5% em novembro. O índice divulgado pela Eurostat mostra heterogeneidade entre as economias do bloco. O desemprego permanece baixo na Alemanha (3%), mas alto na Espanha (12,4%) e na Grécia (11,4%).

No Reino Unido, a atividade teve expansão de 0,1% em novembro frente ao mês anterior. Enquanto o setor de serviços mostrou expansão de 0,2%, a produção industrial teve retração de 0,2%. Apesar do dado positivo no mês, outros indicadores sugerem atividade em contração.

China: flexibilização das medidas contra a Covid-19

Em linha com comunicações anteriores, o Comitê Nacional de Saúde (NHC, na sigla em inglês) anunciou ações de flexibilização das medidas de controle e prevenção da Covid-19. A partir desta semana (8 de janeiro), a quarentena e as testagens deixaram de ser obrigatórias, os números de infecções deixaram de ser divulgados diariamente e não existem mais áreas consideradas de risco no país.

O fluxo de crédito agregado diminuiu para RMB 1,3 trilhão em dezembro, segundo o Banco Central da China (PBOC, na sigla em inglês), depois de melhora expressiva em novembro, ficando abaixo do esperado. Empréstimos a empresas subiram, mas empréstimos às famílias continuaram fracos refletindo baixa demanda por imóveis. A emissão de títulos corporativos contraiu e de títulos públicos desacelerou.

A inflação ao consumidor segue baixa. O índice de preços ao consumidor (CPI) acelerou para 1,8% em novembro frente ao mesmo mês do ano anterior, segundo o Escritório Nacional de Estatísticas chinês (NBS, na sigla em inglês), refletindo aceleração nos preços de alimentos. O núcleo do índice (que exclui alimentos e energia) continuou baixo com fraca demanda doméstica em meio a impactos de surtos ainda recentes de Covid-19. O índice de preços ao produtor (PPI) teve queda de 0,7% no mesmo período, a terceira consecutiva. A balança comercial registrou superávit maior do que o esperado, ficando em US$ 78 bilhões em dezembro, com queda nas exportações e importações. Exportações encolheram 9,9% frente ao mesmo mês do ano anterior, com menor fluxo comercial para vários destinos e produtos em meio à desaceleração das economias. As importações contraíram 7,5% no mesmo período.

Brasil

Focus: expectativas de inflação continuam subindo

A projeção para o IPCA apresentou alta para 2023 (de 5,31% para 5,36%), para 2024 (de 3,65% para 3,7%) e para 2025 (de 3,25% para 3,3%). Os números esperados para o Produto Interno Bruto (PIB) permaneceram praticamente inalterados para 2022 (de 3,04% para 3,03%), registraram leve queda para 2023 (de 0,8% para 0,78%) e ficaram estáveis para 2024 (1,5%). A taxa Selic permaneceu em 12,25% para 2023 e subiu de 9% para 9,25% para 2024. As projeções estão no Boletim Focus, relatório do Banco Central que reúne a expectativa das instituições financeiras em relação aos principais indicadores econômicos do país.

Atividade: dados fracos no mês de novembro

A Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) de novembro mostrou retração de 0,6% frente ao mês anterior no volume de vendas no comércio varejista ampliado, resultado abaixo do que nós projetávamos. A composição do indicador mostra que os segmentos sensíveis ao crédito registraram expansão de 1,2%, enquanto aqueles mais sensíveis à renda registraram queda (0,7%). Apesar da leve recuperação no mês, mantemos nossa visão de que os setores mais sensíveis ao crédito devem ter um desempenho mais fraco nos próximos meses.

A Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) de novembro mostrou volume de serviços estagnado na comparação mensal. O dado veio um pouco abaixo das expectativas do mercado e da nossa projeção. O segmento de serviços prestados às famílias – o mais afetado pelas restrições de mobilidade – registrou queda de 0,3% no mês. Os resultados de novembro corroboram nossa visão de perda de ritmo da atividade e seguimos vendo chance de um PIB negativo no quarto trimestre de 2022. À frente, a alta de juros e a desaceleração global devem comprometer a expansão da atividade até o final do ano que vem. Projetamos alta de 3% para o PIB de 2022, de 1% para 2023 e de 0,5% para 2024.

Inflação: IPCA surpreende em dezembro e encerra 2022 em 5,8%

O IPCA de dezembro registrou alta de 0,62% – acima do que nós (0,47%) e o mercado (0,45%) esperávamos. A maior surpresa em relação a nossa projeção foi concentrada em bens industriais. O índice acumulou alta de 5,8% em 2022 e mostra desaceleração. A inflação de serviços ficou em 7,6% e já dá sinais incipientes de moderação. A inflação de bens industriais registrou alta no mês, mas mostra clara tendência de queda nos últimos meses e deve seguir recuando à frente. Em 2022, houve alta de 9,6% para este segmento (contra 12% em 2021). Projetamos IPCA de 5,8% para 2023 e de 4,5% para 2024. A inflação de preços livres deve continuar desacelerando a passos lentos.

Fiscal: governo anuncia medidas fiscais para reduzir déficit de 2023

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou no dia 12/1 medidas fiscais para reduzir o déficit projetado para este ano. O impacto potencial de todas as medidas é de R$ 200 bi, o que somado à reestimativa de receitas (R$ 36 bi) zeraria o déficit hoje projetado em R$ 230 bi do orçamento de 2023. O ministro afirmou que há incertezas em relação a algumas delas e considera razoável conseguir reduzir o déficit para algo entre R$ 90 e R$ 100 bi.

Na nossa visão, as medidas relevantes são aquelas que trazem ganhos permanentes, seja pelo lado da receita ou das despesas. Esse subconjunto de medidas soma um total de R$ 145 bi para 2024, sendo a maior parte do lado das receitas (R$120 bi) e o restante do lado das despesas (R$25 bi). As medidas do lado da receita incluem o fim da desoneração de combustíveis (R$55 bi), o aproveitamento do crédito do ICMS (R$ 40 bi), entre outras (R$ 25 bi). Vale ressaltar que a medida de maior impacto, a do fim da isenção de combustíveis, ainda não foi confirmada e, portanto, o impacto permanente das medidas oficializadas é de apenas R$ 90 bi. O anúncio de ontem pode nos levar a reduzir levemente a projeção de déficit para 2024, hoje em 1,3% do PIB.

Equipe Econômica C6 Bank

Felipe Salles Head
Claudia Moreno Head Brasil
Claudia Rodrigues Head Internacional
Felipe Mecchi Internacional
Heliezer Jacob Brasil

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A.

Os números contidos nos gráficos de desempenho referem-se ao passado; o desempenho passado não é garantia de resultados futuros.

Cada analista de Macro Research é o principal responsável pelo conteúdo deste relatório e atesta que:

(i) todas as opiniões expressas refletem com precisão suas opiniões pessoais e eventual recomendação foi elaborada de forma independente, inclusive em relação ao Banco C6 S.A. e / ou suas afiliadas;

(ii) nenhuma parte de sua remuneração foi, está ou estará, direta ou indiretamente, relacionada a quaisquer recomendações específicas realizadas pelo analista.

Parte da remuneração do analista vem dos lucros do Banco C6 S.A. e / ou de suas afiliadas e, consequentemente, as receitas decorrem de transações mantidas pelo Banco C6 S.A. e / ou suas coligadas.

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A., uma instituição regulada por autoridades brasileiras.

O Banco C6 S.A. é responsável pela distribuição deste relatório no Brasil.