• Início
  • Economia
  • Resumo semanal: Brasil – chances maiores de PIB negativo no 3º tri

Leitura de 11 min

Resumo semanal: Brasil – chances maiores de PIB negativo no 3º tri

Confira as principais notícias da semana, segundo a avaliação da equipe econômica do C6 Bank

Atualizado em

Confira as principais notícias da semana (16/10-20/10), segundo a avaliação da equipe econômica do C6 Bank. Leia a íntegra do relatório.

Internacional

Estados Unidos: Powell sinaliza juros estáveis em novembro

A atividade segue resiliente. A produção industrial registrou expansão de 0,3% no mês de setembro frente ao mês anterior, segundo dados do Federal Reserve (Fed, na sigla em inglês). O índice permanece acima do patamar pré-pandemia. A pesquisa de vendas no varejo, divulgada pelo Departamento de Comércio americano, mostrou forte expansão das vendas pelo segundo mês seguido.

O setor imobiliário continua fraco. A venda de casas usadas teve retração de 2% em setembro em relação ao mês anterior, segundo a Associação Nacional de Corretores de Imóveis (NAR, na sigla em inglês). A venda de casas usadas está abaixo da média de 2019 (pré-pandemia) e segue com tendência de queda desde março deste ano. Apesar das vendas menores, o estoque de casas disponíveis segue baixo, mantendo pressão sobre os preços. Dados do Departamento do Comércio mostram que o indicador de construção de novas casas cresceu 7% no mesmo período, depois de forte queda no mês anterior, mas o de permissões para construir, um indicador antecedente, diminuiu. O índice de confiança das construtoras (NAHB Housing Market Index) diminuiu no mês de outubro pela terceira vez consecutiva, continuando abaixo do patamar pré-pandemia. De modo geral, os dados sugerem um enfraquecimento do setor. O aperto da política monetária do Fed, que tem impacto direto nas taxas de hipoteca, tem pesado sobre o setor.

Em relatório semanal, os pedidos iniciais de seguro-desemprego continuam em níveis baixos para padrões históricos, em 198 mil na semana encerrada em 14 de outubro, pouco abaixo da semana anterior revisada levemente para cima.

O presidente do banco central americano (Federal Reserve – Fed), Jerome Powell, em evento de economia em Nova York, sinalizou uma possível pausa na reunião de novembro. Ao mencionar incertezas, riscos e todo o aumento de juros já implementado até aqui, Powell reforçou a necessidade de cautela nas próximas decisões. O presidente do Fed também acrescentou que os rendimentos elevados dos títulos de longo prazo apertam as condições financeiras, o que pode ter implicações sobre a política monetária. Powell, no entanto, reforçou o compromisso com a meta de inflação e mencionou que um crescimento econômico persistentemente acima da tendência e um maior aperto no mercado de trabalho podem exigir mais restrições, deixando a porta aberta para nova alta nos juros.

Em nossa visão, o Fed deve elevar os juros mais uma vez este ano em razão de uma inflação persistente e elevada. Acreditamos que os juros americanos devem permanecer elevados por um longo período. Os cortes devem começar de forma gradual e somente no fim de 2024.

Europa: inflação persistente no Reino Unido

A guerra entre Rússia e Ucrânia se estende pelo segundo ano. A Ucrânia tem conseguido usar o corredor de exportação, criado no Mar Negro logo após o fim do acordo de exportação com a Rússia. O conflito segue sem perspectiva de fim próximo.

No Reino Unido, dados do mercado de trabalho foram divulgados parcialmente, em razão da necessidade de ajustes adicionais em uma das pesquisas de emprego. O número de contratações teve leve queda em setembro, mas as vagas em aberto permanecem elevadas. O ganho médio por hora trabalhada expandiu mais moderadamente.

A inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) voltou a acelerar no Reino Unido. O índice cheio subiu 0,5% em setembro frente ao mês anterior e o núcleo, que exclui alimentos, energia, álcool e tabaco, também subiu 0,5%.  Na composição do núcleo do índice, a inflação de bens continua baixa, mas a de serviços ainda preocupa, com o índice para o setor acelerando e mostrando persistência. Apesar do aumento, o índice de serviços ficou pouco abaixo do previsto pelo Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês). Em 12 meses, o núcleo da inflação desacelerou levemente de 6,2% para 6,1%, mas permanece mais de 3 vezes acima da meta de 2% do BoE. A próxima decisão de política monetária ocorre no início de novembro. O Banco tem reforçado seu foco no mercado de trabalho, no crescimento de salários e na inflação de serviços. Com os dados divulgados até o momento, acreditamos que o BoE deve optar por nova pausa em novembro.

China: atividade um pouco melhor que o esperado

O PIB cresceu 4,9% no 3T23 comparado ao mesmo período do ano passado, segundo o Departamento Nacional de Estatísticas da China (NBS, na sigla em inglês). A expansão foi maior do que o esperado, puxada por um aumento do consumo, e está em linha com expectativas de um crescimento de 5% no ano, que é a meta do governo.

A atividade continuou expandindo em setembro depois de uma sequência de dados desfavoráveis de maio a julho, quando houve perda de impulso da recuperação com a reabertura no 1T23. Segundo dados divulgados pelo Departamento Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês), a produção industrial cresceu 4,5% no mês comparado ao mesmo período de 2022. As vendas no varejo ganharam força e aumentaram 5,5%. Os investimentos vieram em linha com o esperado no acumulado do ano até setembro, cresceram 3,1%, comparado com o mesmo período do ano anterior. Houve crescimento dos investimentos em manufaturas e em infraestrutura, mas houve contínuo encolhimento dos investimentos imobiliários.

O setor imobiliário continuou fraco. A venda de casas novas e o início de novas construções tiveram queda em setembro comparado ao mesmo mês de 2022. Apenas as finalizações de construções iniciadas continuam crescendo, encorajadas pelo governo. Em setembro, os preços de casas novas nas 70 maiores cidades chinesas diminuíram pelo quarto mês seguido. Medidas anunciadas no mês passado, como redução de custos de hipotecas e menores valores de entrada para compra de imóveis, trouxeram pouco alívio ao setor até o momento.

A taxa de desemprego urbano diminuiu. O índice reduziu de 5,2% para 5%. O NBS parou de divulgar o desemprego por faixa etária em meio ao crescente desemprego entre jovens (16-24 anos).

O Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) manteve a taxa de juros de médio prazo inalterada, em 2,5% ao ano, conforme esperado, depois de surpreender com corte no mês anterior. O PBoC, no entanto, aumentou a liquidez no sistema financeiro, o que deve diminuir custos de empréstimos em um momento que governos locais devem aumentar a emissão de títulos. A medida está em linha com iniciativas recentes do governo de apoiar a economia.

Commodities: ouro e petróleo refletem riscos de escalada do conflito no Oriente Médio

O conflito entre Israel e o Hamas se estende pela segunda semana. O presidente dos EUA visitou Israel, seguido por Autoridades da Alemanha e pelo primeiro-ministro inglês, em uma demonstração de esforços para conter uma escalada do conflito. A crise geopolítica pode demorar algum tempo. Não houve impacto relevante nos mercados globais por enquanto, mas o preço de algumas commodities apresentou maior volatilidade, dadas as preocupações quanto a uma escalada do conflito na região, que é a maior exportadora de petróleo.

O preço do ouro alcançou maior patamar em 11 semanas e desde o início do conflito (6/10) subiu 7,5%, refletindo maior busca por ativos seguros em meio à crise.

Os preços das commodities energéticas continuaram com volatilidade alta na semana. O preço futuro do petróleo (Brent) subiu 7,5% entre os dias 12 e 19 de outubro, terminando o período em 92 dólares por barril. Desde o início do conflito, o preço do petróleo acumula alta de 9%. O preço futuro do gás natural na Europa diminuiu 5% no mesmo período, com previsão de temperatura mais amena no continente europeu. Apesar da alta do preço do gás natural em razão da guerra entre Rússia e Ucrânia, o preço já recuou e está abaixo da média de janeiro de 2022 (pré-guerra).

Os preços futuros das commodities agrícolas na Bolsa de Chicago tiveram leve aumento na semana. A variação do preço futuro negociado do trigo, milho e soja foi de 4%, 2%, 2%, respectivamente. O aumento no preço da soja reflete uma interrupção do plantio no Brasil (maior produtor), em razão das condições climáticas adversas, e chuvas fortes nos Estados Unidos que atrapalham a colheita.

Brasil

Focus: projeções de inflação no limite superior da meta em 2023

As projeções para o IPCA caíram para 2023 (de 4,86% para 4,75%) e ficaram estáveis para 2024 (3,88%), para 2025 (3,5%) e para 2026 (3,5%). O número esperado para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) não teve alterações para 2023 (2,92%) e 2024 (1,5%). A taxa Selic está em 11,75% para 2023, em 9% para 2024 e em 8,5% para 2025 e 2026. As projeções estão no Boletim Focus, relatório do Banco Central que reúne a expectativa das instituições financeiras em relação aos principais indicadores econômicos do país.

Inflação: índice de preços ao produtor sobe em setembro

A inflação medida pelo IGP-10 subiu 0,52% em setembro, acima da mediana das projeções do mercado de 0,4%. Em 12 meses, o índice está em -4,9%. A composição dos índices de atacado mostrou o IPA agrícola com queda de 1,4% frente à contração de 1,6% no mês anterior. O núcleo do IPA industrial – que inclui apenas os itens relacionados à inflação de bens industriais do IPCA, excluindo alimentos, combustíveis e minério de ferro – subiu 0,2%. Em 12 meses, o IPA agrícola está em -17,4% e o núcleo do IPA industrial em -2,9%.

Atividade: dados surpreendem negativamente em agosto

A Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) de agosto mostrou queda de 1,3% frente ao mês anterior no volume de vendas no comércio varejista ampliado, resultado pior do que nós (0%) e o mercado (-0,7%) projetávamos. A maior surpresa foi no segmento de atacado de produtos alimentícios, bebida e fumo, que foi introduzido na pesquisa neste ano. As perspectivas para o varejo não são favoráveis à frente, principalmente para os segmentos sensíveis a crédito, devido ao impacto dos juros elevados e da desaceleração da economia.

A Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) de agosto mostrou que o volume de serviços contraiu 0,9% na comparação mensal, após crescer 0,4% em julho. O dado veio abaixo das expectativas do mercado e da nossa projeção. O segmento de serviços prestados às famílias, que tem um peso relevante no PIB, registrou queda de 3,8% no mês. O setor de serviços deve rodar em ritmo fraco ao longo de 2023. Projetamos crescimento do PIB de 3% para 2023, agora com leve viés de queda, e de 1,5% para 2024. Para o terceiro trimestre, esperamos por ora uma contração de 0,2% em relação ao trimestre anterior.

Equipe Econômica C6 Bank

Felipe Salles Head
Claudia Moreno Head Brasil
Claudia Rodrigues Head Internacional
Felipe Mecchi Internacional
Heliezer Jacob Brasil

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A.

Os números contidos nos gráficos de desempenho referem-se ao passado; o desempenho passado não é garantia de resultados futuros.

Cada analista de Macro Research é o principal responsável pelo conteúdo deste relatório e atesta que:

(i) todas as opiniões expressas refletem com precisão suas opiniões pessoais e eventual recomendação foi elaborada de forma independente, inclusive em relação ao Banco C6 S.A. e / ou suas afiliadas;

(ii) nenhuma parte de sua remuneração foi, está ou estará, direta ou indiretamente, relacionada a quaisquer recomendações específicas realizadas pelo analista.

Parte da remuneração do analista vem dos lucros do Banco C6 S.A. e / ou de suas afiliadas e, consequentemente, as receitas decorrem de transações mantidas pelo Banco C6 S.A. e / ou suas coligadas.

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A., uma instituição regulada por autoridades brasileiras.

O Banco C6 S.A. é responsável pela distribuição deste relatório no Brasil.