Leitura de 7 min

Benjamin Graham: saiba quem foi o precursor do value investing

Benjamin Graham, além de inspiração para Warren Buffett, foi um dos maiores investidores da história, influenciando muitas pessoas até os dias de hoje

Atualizado em

fachada de uma bolsa de valores com bandeiras dos estados unidos, país onde benjamin graham fez sua carreira
Foi nos Estados Unidos que Benjamin Graham fez sua carreira como investidor

Benjamin Graham é um nome que praticamente todo investidor já ouviu ou vai ouvir em algum momento. O economista inglês é uma das mais lendárias figuras do mundo dos investimentos, tendo sido fonte de inspiração para inúmeros investidores bem sucedidos ao redor do mundo – incluindo outros grandes nomes como Warren Buffett.

Se você ainda não conhece o pai do chamado value investing (investimento em valor, em tradução livre), não se preocupe: o C6 Bank preparou este post para tirar todas as dúvidas que você tiver a respeito do tema. Ao longo dele, você aprenderá:

  • Quem foi Benjamin Graham?
  • Benjamin Graham: breve biografia
  • O que é a análise de segurança de Benjamin Graham
  • O que é value investing?
  • O investidor inteligente de Benjamin Graham
  • Principais lições que o investidor deixou
  • Quem foi Benjamin na vida de Warren Buffett?

Quer aprender mais sobre investimentos? Então confira essas matérias que separamos para você:

Quem foi Benjamin Graham?

Benjamin Graham foi um investidores mais influentes de todos os tempos. É considerado por muitos um dos mestres dessa área, além de ser reconhecido como o mentor de Warren Buffett, um dos investidores mais bem sucedidos da história e, em outubro de 2022, sexto homem mais rico do mundo.

Buffett está longe de ter sido o único discípulo de Graham, no entanto. O inglês, através da concepção do value investing, ajudou a formar toda uma geração de investidores. Seus ensinamentos são estudados até os dias de hoje, e é por conta de toda essa importância que o C6 Bank decidiu produzir este post e contar a história de Benjamin Graham.

Benjamin Graham: breve biografia

Benjamin Graham, anteriormente Benjamin Grossbaum, nasceu em 8 de maio de 1894, em Londres, na Inglaterra.

Não foi criado na Europa, contudo, tendo se mudado para Nova York com os pais ainda com um ano, em função dos acontecimentos que viriam a desencadear a Primeira Guerra Mundial, anos depois.

Já em terras americanas, a família de Benjamin tirava seu sustento do trabalho do pai, Isaac Grossbaum, na loja de móveis que gerenciava. Com sua morte em 1903, no entanto, Benjamin, sua mãe e dois irmãos ficaram em uma situação de grande vulnerabilidade, passando por um período de pobreza e falta de recursos.

Apesar das dificuldades apresentadas pelo momento, Graham posteriormente disse que sua situação durante essa época influenciou suas teorias de investimento. Isso porque, segundo ele, inspirou uma apreciação pelas ofertas e por preços baixos.

Além disso, as más condições de vida também estimularam Graham a buscar formas de melhorar a situação para si e para sua família – nesse caso, por meio dos estudos. Ingressou no curso de Economia da Universidade de Columbia e, aos 20 anos, já havia completado a graduação.

Embora tenha recebido ofertas para ser professor, Benjamin preferiu começar a construção de sua carreira em Wall Street, onde eventualmente firmaria sua parceria Graham-Newman, em 1926. O nome era compartilhado com seu colega Jerry Newman.

Essa primeira empreitada, no entanto, não é bem sucedida: com a crise de 1929, a carreira de Graham quase chegou a um fim antecipado – no entanto, a sociedade foi salva com a ajuda de amigos da dupla de investidores.

Simultaneamente, Graham também se tornou professor na universidade em que se formou, a partir de 1928. Foi dentro desse contexto em que apresentou os dois conceitos que o imortalizariam no mercado financeiro: o value investing e a análise de segurança ou de risco.

O que é a análise de segurança de Benjamin Graham

“A função da margem de segurança é, em essência, a de tornar desnecessária uma estimativa precisa do futuro”. A frase, cunhada pelo próprio Benjamin Graham em seu livro “Análise de Segurança”, de 1934, ajuda a explicar de forma breve do que se trata o termo.

O mercado de ações é imprevisível. É impossível escapar da volatilidade característica das carteiras de investimento compostas por esses ativos. Para Graham, no entanto, isso não era necessariamente um problema.

É aí que entra o conceito da análise de segurança: na visão do megainvestidor, quem quer ser bem-sucedido no mercado deve fazer uma análise bastante cuidadosa das ações disponíveis e investir nas que estão realmente baratas. Isso porque, segundo ele, essas empresas tendem a ter menos espaço para se desvalorizar.

Além disso, a própria volatilidade do mercado pode ser uma aliada, pois permite que essas boas empresas com preços baixos se valorizem, trazendo resultados positivos para o investidor no longo prazo.

O que é value investing?

O value investing diz respeito a uma análise do valor intrínseco de uma ação, independentemente de seu preço no mercado. Graham resume em uma simples frase: “o preço é o que você paga. Valor é o que você leva”.

O conceito foi concebido em outro livro do inglês, “O Investidor Inteligente”, considerado por Warren Buffett como o melhor livro já escrito sobre investimentos em toda a história.  

A metodologia da análise de valor, por sua vez, leva em consideração uma série de fatores, como lucros e dividendos, a fim de definir seu real valor em comparação ao apresentado no mercado. 

Após a análise, caso seja constatado que o valor da ação é superior ao seu preço, o investidor deve comprá-la e segurá-la na carteira até que o preço suba e se iguale ao valor de mercado.

É claro que não há como saber que essa valorização irá necessariamente acontecer. No entanto, volta-se ao conceito da margem de segurança: como a ação foi comprada em um momento de desvalorização, eventuais prejuízos eram mais baixos do que se a mesma ação fosse comprada em um momento de alta.

O investidor inteligente de Benjamin Graham

O investidor inteligente é um termo cunhado por Benjamin Graham e usado para dar nome ao seu livro de mesmo nome, publicado em 1949. Trata-se de uma espécie de persona, um modelo que deve ser seguido pelos investidores que desejam obter sucesso.

Na definição do próprio autor, “o investidor inteligente é um realista que vende para os otimistas e compra dos pessimistas”. Ainda nas palavras de Graham, “é alguém que compra em mercados de baixa, quando todo mundo está vendendo, e vende em mercados de alta, quando todo mundo está comprando”.

O investidor inteligente, no contexto do livro, é um contraponto a um personagem usado para representar o comportamento comum da época – mas que ainda é observado nos dias de hoje. Esse personagem, chamado de Sr. Mercado, é um investidor que todos os dias compra ações com preços voláteis, baseado apenas no seu otimismo ou pessimismo.

Principais lições que o investidor deixou

Benjamin Graham deixou, em seus livros, uma série de ensinamentos e lições que até hoje são importantes para investidores do mundo todo. Algumas das principais são:

  • Não siga a multidão;
  • Evite o day trade.
  • Esteja atento às técnicas usadas por empresas em seus balanços para deixar seu lucro por ação mais atraente: esse é um fator que aumenta o valor intrínseco dos papéis.
  • Diversifique. Graham era um grande defensor da diversificação, pelo mesmo motivo pelo qual defendia a análise de segurança: não é possível prever a movimentação do mercado de ações, o que significa que é muito arriscado apostar todas as fichas em uma única possibilidade. A diversificação, além de contribuir com a rentabilidade, é uma forma de mitigar e diluir o risco ao qual o investidor se expõe.

Quem foi Benjamin na vida de Warren Buffett?

A relação entre Benjamin Graham e Warren Buffett foi uma que transcendeu a de mentoria. Buffett, na verdade, foi aluno de Graham na Universidade de Columbia. Posteriormente, também trabalhou como analista na Graham-Newman por alguns anos e, ao longo do tempo, os dois se tornaram grandes amigos.

Essa amizade se reflete na própria estratégia de Buffett, que defende os mesmos princípios de value investing e de preferência pelas ações com alto valor e baixo preço, bem como por empresas com boas reputações e qualidade. O próprio bilionário, hoje com 92 anos, diz se definir como “15% Fisher e 85% Benjamin Graham”. Fisher, no caso, é o sobrenome de Philip Arthur Fisher, notório investidor americano conhecido como pai do chamado investimento em crescimento.

Apesar de ter sido um de seus alunos mais famosos, definitivamente não foi o único no qual Graham deixou sua marca. O megainvestidor até hoje influencia as estratégias e ideias de milhões de pessoas, muitos anos após sua morte, em 1976, aos 82 anos.

Esperamos que, com este texto você também tenha aprendido um pouco mais sobre a vida de Benjamin Graham, as ideias por ele defendidas e os conceitos que ele criou, como a análise de segurança e o value investing.

Caso queira continuar lendo sobre temas relacionados, aproveite para conferir também os seguintes conteúdos:

Ainda não está usando o C6 Bank? Baixe o app, abra sua conta digital, peça seu cartão sem anuidade (sujeito a análise) com a cor que quiser e aproveite um banco completo com tudo em um só app.