Leitura de 3 min

Copom adota postura mais cautelosa sobre cortes

Leia a íntegra da análise da equipe econômica do C6 Bank

Atualizado em

O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central anunciou nesta quarta-feira (20) a queda da taxa básica de juros para 10,75%.

Felipe Sales, Head da equipe econômica do C6 Bank, em pé, usando uma camiseta preta
Felipe Sales, Head da equipe econômica do C6 Bank. Foto: Wanezza Soares.

Em linha com as expectativas, o Banco Central do Brasil (BCB) reduziu a taxa Selic de 11,25% para 10,75% nesta quarta-feira (20). No comunicado em que anunciou a decisão, o Comitê de Política Monetária (Copom) alterou a sinalização sobre os próximos passos e afirmou que o corte dos juros deve ser de 50 pontos-base na próxima reunião. Nos comunicados anteriores, o órgão mencionava cortes para as “próximas reuniões”, no plural.

O comunicado afirma que seu cenário-base não se alterou substancialmente, mas que houve uma elevação da incerteza. Por isso, e pela “consequente necessidade de maior flexibilidade na condução da política monetária”, os membros optaram por sinalizar apenas uma redução de 50 pontos-base para a próxima reunião, deixando o comunicado menos assertivo sobre os passos seguintes.

O Copom também deixou aberta a possibilidade de um corte de juros mais brando (de 25 pontos-base) para a reunião de junho. Isso pode ser observado numa pequena troca de palavras – em vez de “ritmo” apropriado de cortes (uma referência a reduções de 50 pontos-base), o comunicado mais recente menciona apenas uma “condução” apropriada para manter a política monetária contracionista necessária.  

Na nossa visão, não ficaram inteiramente claros os motivos do aumento da incerteza no cenário do Copom, mas deve-se registrar que o comitê demonstrou algum grau de desconforto com a velocidade da queda da inflação global e com a dinâmica da inflação subjacente doméstica.

Para 2024 e 2025, as projeções de inflação no cenário de referência do Copom (que considera juros de 9% ao fim de 2024 e de 8,5% ao final de 2025) permaneceram iguais às registradas na última reunião. As estimativas, como informado no comunicado, estão em 3,5% para 2024 e 3,2% para 2025, próximas da meta estabelecida de 3% para o ano que vem. Esses números reforçam a ideia de que a expectativa do Copom para a taxa de juros terminal não foi, por ora, alterada.

Vale lembrar que, nesta reunião de março, o horizonte relevante do Comitê deu mais peso ao ano de 2025 e menos peso ao de 2024. Nas reuniões de maio e junho, o Copom deve se concentrar exclusivamente no ano de 2025.

Projetamos Selic em 9,25% ao final de 2024 e em 8,5% ao final de 2025. Aguardamos a ata da reunião, que será divulgada na próxima terça-feira (26), para termos mais detalhes sobre os rumos da política monetária.

Equipe Econômica C6 Bank

Felipe Salles Head
Claudia Moreno Head Brasil
Claudia Rodrigues Head Internacional
Felipe Mecchi Internacional
Heliezer Jacob Brasil

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A.

Os números contidos nos gráficos de desempenho referem-se ao passado; o desempenho passado não é garantia de resultados futuros.

Cada analista de Macro Research é o principal responsável pelo conteúdo deste relatório e atesta que:

(i) todas as opiniões expressas refletem com precisão suas opiniões pessoais e eventual recomendação foi elaborada de forma independente, inclusive em relação ao Banco C6 S.A. e / ou suas afiliadas;

(ii) nenhuma parte de sua remuneração foi, está ou estará, direta ou indiretamente, relacionada a quaisquer recomendações específicas realizadas pelo analista.

Parte da remuneração do analista vem dos lucros do Banco C6 S.A. e / ou de suas afiliadas e, consequentemente, as receitas decorrem de transações mantidas pelo Banco C6 S.A. e / ou suas coligadas.

Este relatório foi preparado pelo Banco C6 S.A., uma instituição regulada por autoridades brasileiras.

O Banco C6 S.A. é responsável pela distribuição deste relatório no Brasil.